Primeiro encontro: uma busca por quem verdadeiramente somos

por Ana Paula Santos *

Foi um encontro intenso, com práticas e vivências que trouxeram reflexões profundas e muito pessoais de cada um. No dia 8 de julho à noite os jornadeiros se conheceram, compartilharam sonhos e os expressaram. Ali identificamos algumas dores e a escalada para a montanha começava para cerca de 20 caminhantes.

Independente dos motivos que levaram os jornadeiros ao Cafundó Estúdio Criativo, conexão é a palavra que marcou a imersão e uma busca pela verdade que representa quem somos de fato. Co-criamos intenções, combinados e expectativas para a caminhada, baseada em objetivos pessoais e profissionais. A intenção registrada de forma conjunta e facilitada por Florentine Versteeg-Vedana ficou clara pra nós. "Criar um espaço de aprendizagem, reflexão e ampliação da consciência, apoiando os participantes no reconhecimento e na expressão das suas verdades".

Intenções, resultados e combinados co-criados pelo grupo para a Jornada.

Será que dentre a turma tem objetivos em comuns? Provavelmente os sonhos compartilhados por um mundo em possamos aprender com as inquietações dos outros, onde possamos nos expressar sem julgamento, ter um olhar mais atento para as novas formas de organização, encontrar maneiras de conciliar a vida profissional e pessoal sem perder a convivência com os filhos, além de pensar maneiras de lidar com as questões de nosso ser que influenciam na construção da nossa história.

Expressividade por meio da voz e corpo, narrativa, mindfulness, novos modelos organizacionais. Você consegue pensar em tudo isso de uma vez? E se eu te falar que faz todo sentido pensar nestes tópicos como complementares? 

A nossa voz expressa muito mais do que queremos falar, transparece a energia do que somos. É possível identificar o lugar de onde viemos, se não neutralizarmos conscientemente o sotaque. Teresa Pesenti nos mostrou a importância da projeção da voz para conseguirmos nos manifestar com clareza. Experimente colocar a letra “u” ao pronunciar seu nome. Não pense que é fácil, demorei alguns minutos para conseguir falar Ana Paula “ua-nua-pua-uu-lua”. Fale pausadamente as palavras, bem pontuadas.

Exercícios de expressividade da fala.

“Por que as empresas estão perdendo sua alma?”, questionou Henrique Veersteg-Vedana na manhã de sábado. Ele compartilhou dados intrigantes, como cerca de 65% das pessoas em todo o mundo estarem no trabalho apenas por estar, aguardando a sexta no fim da semana. Aprendemos sobre a evolução da consciência humana e novos modelos organizacionais. Colocamos em prática os formatos de cada era com Lucio Herrera, ao final do encontro. Foi um momento onde conseguimos manifestar expressões e sentimentos enraizados pelo tempo.

Vivência de personagens que simbolizam estágios de evolução da consciência humana.

Já com Guilherme Sarkis, facilitador direto do Canadá, fomos provocados a pensar em inovação e praticar formas de gerar ideias inovadoras. Divididos em grupos, pensamos em soluções para problemas dos participantes ou da cidade. A inovação vem das pessoas.

Dinâmica de pensamento criativo para solução de problemas.

Com Antonio Barros, aprendemos sobre mindfulness, consciência e atenção plena, algo essencial para lidar com os desafios que vivemos no dia a dia. Mindfulness é prestar atenção de forma intencional, no momento presente sem julgar, caso surjam pensamentos do tipo: "não consigo parar de pensar", "isso não é pra mim", "será que estou fazendo certo" ... ou ainda, "uau, isto é muito bom", apenas observe-os como eventos mentais, e deixe-os passar. É como um exercício que deve ser praticado diariamente.

Prática de mindfulness: a consciência e atenção plena no momento presente.

Para que sinta um pouco do que vivenciamos por lá, tente praticar 1 minuto de atenção plena. No vídeo tem instruções! ;)

Inquietações acolhidas. Jornada em andamento. O que nos motiva a continuar este percurso? E como podemos contar nossa história para o mundo? É aí que entra “O Mapa da Narrativa”, método criado por Olavo Pereira Oliveira para encontrar elementos e construir uma narrativa verdadeira de si mesmo transparecendo o que queremos comunicar para os outros.

Exercício de mapeamento de mensagens para construção de narrativa.

Três dias foram até pouco para sentirmos a forma como estes temas estão alinhados com a nossa vida e o dia a dia mas foram o pontapé inicial para pensarmos de forma diferente e sentir na pele a importância de encontrar a nossa essência. Inquietações acolhidas em nossa rotina, já estamos prontos e ansiosos para o próximo encontro. Essa história continua...

* Uma das caminhantes da Jornada da Autenticidade, Ana Paula Santos é jornalista e fotógrafa. Atualmente trabalha para o Social Good Brasil e para o Save The Love, projeto de fotografia documental que retrata o amor nas relações.