Por que Mindfulness nos faz melhores líderes?

por Antonio Barros *

A mudança disruptiva que vivemos a partir da internet vem provocando a desestabilização de uma estrutura de controle inflexível e centralizada que era considerada intocável na maioria de nossas instituições. O começo de um movimento espontâneo e descentralizado de pessoas que atingem um nível mais elevado de consciência e interconectividade afeta nossos mundos exterior e interior.

Com isso, surge uma inquietação por não sabermos qual a maneira de reagir ao impacto causado por estas rupturas em nosso modo de trabalhar e viver. Momentos como esses podem ser altamente estressantes, mas também contemplam um espaço que pode ser ocupado de duas formas: travar e retornar aos velhos hábitos do passado ou parar e aceitar o que deseja emergir.

Esta segunda possibilidade não significa aceitar passivamente as mudanças, mas ver a realidade como ela é, estar presente para sentir e nos conectar com nosso futuro potencial mais elevado.

Mas como podemos parar de reagir para cultivar a habilidade de agir e liderar a partir de uma fonte mais profunda, inteira e autêntica de nosso ser?

Podemos acessar esta fonte quando escolhemos estar ciente do momento presente, com curiosidade e abertura. Este estado é conhecido como mindfulness. Traduzido muitas vezes como atenção plena, este termo refere-se também a um conjunto de técnicas específicas para o treino e desenvolvimento deste estado mental e também a programas estruturados que ganham o mundo dentro de empresas, escolas e hospitais.

É no momento presente que a vida acontece, que podemos construir conexões, cultivar pontos fortes e tomar decisões. Mindfulness é sobre intenção, atenção e atitude e está sempre disponível aqui e agora.

Sustentado por pesquisas científicas e organizacionais, estes programas podem oferecer resultados significativos em áreas como percepção de stress, capacidade de se concentrar, engajamento, criatividade e inovação, entre outros. Não é a toa que empresas como Google e Intel investem alto para desenvolver mindfulness entre seus líderes e equipes.

Marcelo Cardoso, diretor executivo do Grupo Fleury, compartilha um pouco dessa experiência com mindfulness no ambiente corporativo nesse vídeo.

 

O fato é que a abertura de pequenas fissuras no antigo sistema, seguida de desgaste e eventual falência do mesmo, nos convoca para esta Jornada da Autenticidade, um processo de abertura onde podemos permitir que o novo surja e se manifeste por meio de nós.

Segundo Otto Scharmer, professor sênior do Massachussets Institute of Technology - MIT e autor do livro "Teoria U", o sucesso de nossas ações não depende do que fazemos ou de como fazemos, mas do lugar interior a partir do qual operamos.

Em resumo, quando estamos cientes do momento presente e de onde estamos liderando, podemos perceber a realidade como ela é, sem julgamentos, nos conectar com o que emerge,  mudando nosso padrão de repetir o passado para aprender a partir do futuro.

Seja na execução de um projeto, na interação com um colega ou na criação de uma nova estratégia, Estar "mindful" nos estabiliza e abre espaço para a manifestação da autenticidade criativa.

Mindfulness é um dos conteúdos que será explorado na Jornada da Autenticidade, programa de trasnformação de lideranças que começa em Julho em Floripa. Quer participar? Entre aqui e saiba mais!

Antonio Barros é consultor de negócios, foi gerente executivo do Instituto Rennove, instrutor em formação pelo Mindfulness Trainings International e é hoje um dos embaixadores da Autenticidade, onde irá facilitar na Jornada práticas de Mindfulness. Conheça o time de facilitadores.