A Jornada e o meu ciclo de transformação

*por Rogério Malveira

Nunca se falou tanto de impacto social e propósito como hoje. É percebido que as pessoas - e empresas - estão inquietas, na busca de um sentido. Propósito is the new black.

Há muito essa inquietação me acompanha (chamo ela de “pequena agonia”). Quando entrei na Faculdade ela só fez crescer. O caminho tradicional da Medicina - se formar –> fazer especialização -> abrir um consultório – não me atendia. Sim, gosto de atender e ouvir pessoas, adoro saúde mental, mas esse caminho por si só não me traz paz.

A “pequena agonia” sempre me fez curioso por fazer coisas, como se ainda não tivesse achado algo. Na Faculdade me envolvi em projetos com a ONU, laboratório de Genética, monitorias acadêmicas, palhaçoterapia, estágios, liga de Patologia, Diretoria de ONG de estudantes de medicina que realiza projetos sociais, e sem esquecer da Faculdade em si. Depois disso tudo, percebi que a “pequena agonia” na verdade tinha um novo nome: “causar impacto social”. Me descobri apaixonado por conversar com pessoas, impactar a vida delas de alguma forma e mudar a sociedade.

Por conta dos trabalhos que desenvolvi, em 2013 fui semifinalista de um prêmio nacional chamado Jovens Inspiradores. Fui um dos 25 dentre os 17.000 inscritos. Quando cheguei no evento em São Paulo, um outro jovem me perguntou:

“E aí, o que tu faz? O que tu criou?”

Respondi: “Nada”

Nada? Como assim não tinha feito nada? Já tinha feito muita coisa! Porque disse nada?

Foi naquele momento que percebi que faltava um grande fator: Autoconhecimento.

Se eu quero “causar impacto social” verdadeiro e sólido, também tenho que ser verdadeiro comigo mesmo e consistente.

Fiz 3 anos de terapia, ganhei autoconhecimento, inteligência emocional e autoconfiança. Passei a confiar em mim mesmo.

No meio desse turbilhão de atividades e autoconhecimento, comecei a criar no último ano de Faculdade um negócio social na área da saúde. Vi que muitos pacientes não entendiam receita e orientações médicas. Tive a ideia de criar um novo modelo de receita médica e isso culminou na fundação da empresa que hoje estou e gerencio. Fomos 2º lugar num laboratório de inovação social nacional e semifinalistas de uma premiação mundial. Tudo isso acabando Faculdade.

Saí da Faculdade um outro Rogério. Ganhei uma bagagem IMENSA. Meio que fiz um plano JK próprio de “crescer 18 anos em 6”. A questão era que: Aprendi e vivenciei muita coisa, mas era hora de abrir a bagagem, separar as coisas e decidir os próximos passos. E foi nesse ponto que me deparei, felizmente, com a Jornada da Autenticidade

Acho que é difícil trazer em palavras (um amigo que gosta de vocábulos difíceis diria que é “inenarrável”) o quão grande a Jornada é, mas tentemos. Poderia descrever a Jornada como um “Guia de como viver numa era guiada por propósito”

Com um time diverso de facilitadores, três áreas são trabalhadas simultaneamente (em parênteses estão os tópicos abordados):

  • Eu interior: Um olhar profundo para dentro, virando do avesso. Você aprende como estar pleno em todos os momentos e o porquê isso é importante (Mindfulness); além de explorar todas as suas competências, habilidades e falhas (Potencial Criativo, Inovação, Autoconhecimento).
  • Mundo Externo: Um olhar crítico e questionador para fora. Você compreende como o mundo se organiza e estrutura, reconhecendo padrões (Modelos Organizacionais). Não só padrões humanos, mas também da Natureza, a maior e mais antiga organização do Mundo, com 3.8bi de anos (Sustentabilidade).
  • Conexão do Eu com o Mundo: Agora é hora de conectar dentro e fora definindo suas ações e pensamentos e avaliar se isso se encaixa com sua empresa ou negócio (Propósito). Mas aí não basta saber suas ações e pensamentos, você precisa saber como organizá-los e expressá-los da forma certa para o mundo (Voz, Expressão Corporal, Narrativa).

Os 3 encontros misturam essas três áreas e tudo com uma comida orgânica de boa qualidade. Boa mesmo, de dar saudade depois do encontro. 

Se no começo era uma bagagem bagunçada, ao final tinha separado camisas, calças e meias (organizadas por cor até).

A Jornada me possibilitou fechar um ciclo de transformação que comecei há 3 anos com a terapia. Hoje sou mais consciente de quem sou, do meu papel e de como me comunico e relaciono com o Mundo. Sou mais verdadeiro que nunca. E ser verdadeiro te faz liberar todo teu potencial para deixar tua marca e ser autêntico. Os encontros são uma Jornada para chegar na Autenticidade. 

Todos os benefícios que se voltam para o Eu se refletem na empresa/organização. Empreender não é fácil, não tem glamour. É um processo solitário em que você precisa se rasgar para o mundo e não ter medo de falhar ou de críticas. A Jornada me deu forças para encarar essa realidade.

Não só isso, mas foi lá que percebi que o nome da empresa que levava não se conectava com as ações e propósito da empresa. Mais que isso, não tinha um propósito profundo definido, apenas um superficial. Definimos o propósito da empresa e passamos por um processo de reformulação de marca e identidade visual. Temos mais conhecimento de quem somos enquanto empresa e qual nosso papel. Somos mais fortes. Autenticidade é realmente poder.

Sabe o “Propósito”? Ele é amigo e acalma aquela inquietação, que no começo era “pequena agonia” e hoje é “causar impacto social”. Descobri que a inquietação não some e que ela nunca se aquieta totalmente. Ela sempre vai permanecer. Por vezes mais quieta, outras vezes nem tanto. E isso depende das suas ações. Hoje ela está mais quieta, bem amiga do propósito. Mas por vezes gosta de se agitar.

E você, sabe o nome da sua inquietação, o que te inquieta? 

*Na ingenuidade dos 17, Rogério foi parar na Faculdade de Medicina sem imaginar que lá ia encontrar os parafusos que faltavam. Curioso e inquieto de nascença, já fez de tudo um pouco mas foi como Palhaçoterapeuta e Diretor Nacional de Direitos Humanos e Paz de uma ONG de estudantes de medicina que se descobriu apaixonado por impacto. Rogério é co-fundador da Luneta Saúde, startup que pretende revolucionar a saúde fazendo com que seja compreendida por todos.

Como se reconectar com o seu potencial pleno, criativo e autêntico

Como se reconectar com o seu potencial pleno, criativo e autêntico

É difícil ser criativo e autêntico numa sociedade que te dá tão pouco espaço. Algo importante para lembrar é que você também faz isso consigo mesmo. Muitos medos e sentimentos sobre "o que as outras pessoas pensam" são na verdade projeções dos seus próprios medos.